MITOS E VERDADES SOBRE CIRURGIA BARIÁTRICA

Home / MITOS E VERDADES SOBRE CIRURGIA BARIÁTRICA

A Cirurgia é uma garantia de emagrecimento.

Mito: A Cirurgia é um ponto auxiliar, uma ferramenta no tratamento e depende do auxílio da pessoa, através da transformação do seu estilo de vida. Com mudanças significativas no dia-a-dia (alimentação equilibrada, prática de exercícios físico, busca por relações e trocas saudáveis) associadas à cirurgia, haverá maior probabilidade de sucesso no emagrecimento.

 

Depois da Cirurgia não haverá mais vontade de comer.

Mito: Fome e Vontade de Comer são coisas diferentes. Aprender a diferenciar as duas é um ponto muito importante no processo de emagrecimento. A fome é orgânica, a vontade de comer vem do desejo. A Cirurgia não vai trabalhar o desejo de comer. Portanto, a pessoa que operou terá que aprender a lidar com a sua vontade de comer, buscando novas formas de satisfação em sua vida.

 

O apoio da família é indispensável.

Verdade: Por meio de maiores informações possíveis pelos médicos e nutricionista, além do acompanhamento psicológico, deve-se dar toda a assistência e orientação à família da pessoa com obesidade. Os novos hábitos a serem adotados devem ser compartilhados e estimulados por todos com se quem convive. A família é parte essencial do tratamento.

 

O emagrecimento pós-cirurgia será rápido.

Mito: O processo de emagrecimento varia de pessoa para pessoa e também depende do tipo de Cirurgia que será realizado. Essa expectativa deve ser trabalhada com a equipe para que não se ocorra maiores frustrações no pós-operatório.

 

Em um ano de pós-operatório, o paciente normalmente engorda.

Mito: Na maioria dos casos, o ganho de peso ocorre quando o paciente não assume hábitos saudáveis, como adotar dieta menos calórica e mais nutritiva, praticar exercícios físicos com regularidade além de aprender a lidar com seu universo emocional de forma mais equilibrada.

 

Quem faz a cirurgia bariátrica fica propenso a alcoolismo, uso de drogas ou comportamento compulsivo para compras.

Mito: O tratamento quando bem arquitetado por uma equipe multi ou interdisciplinar deverá buscar avaliações, entrevistas e histórico de vida do paciente candidato à cirurgia, para quê, tendências compulsivas possam ser trabalhadas com a pessoas no pré e pós-operatório.

 

A depressão é uma consequência comum para quem faz a cirurgia.

Mito: A depressão está associada a diversos fatores. Do ponto de vista psicológico pode haver uma relação com as perdas. Se a pessoa pós operada apresentar sinais e sintomas de depressão, deverá buscar ajuda profissional (psicólogo e/ou psiquiatra) que precisará avaliar para o devido diagnóstico e tratamento.

 

Vomitar ajuda a emagrecer.

Mito: Vomitar é péssimo em todos os sentidos. Normalmente é devido a pressa em comer e falta de mastigação. Quando se vomita, perde-se uma refeição. Além disso, o estômago pode ficar sensível e irritado, dificultando as próximas refeições. Vomitar é perigoso porque perde-se sais minerais e algumas vitaminas, podendo causar fraqueza, dormências e dificuldades de equilíbrio. Essa condição deve ser tratada para evitar sérias complicações.

 

Depois da cirurgia bariátrica, o paciente deve fazer cirurgia plástica corretiva.

Mito: Nem sempre é necessário fazer cirurgia plástica após o procedimento bariátrico. Cada caso deve ser avaliado criteriosamente pela equipe interdisciplinar responsável pelo tratamento.

 

A pessoa depois da cirurgia pode comer tudo o que quiser.

 

Mito: Pessoas saudáveis não ingerem tudo o que desejam comer. Adquirir hábitos saudáveis requer trabalho, esforço e abnegação. Pessoas que realizam a cirurgia bariátrica deverão, além de seguir um plano alimentar equilibrado, quando necessário (de acordo com as recomendações médicas e nutricionais, e o tipo de cirurgia feita), realizar suplementação de vitaminas.