Insulinas

Home / Insulinas


Insulina
Insulina
 é o hormônio responsável pela redução da glicemia (taxa de glicose no sangue), ao promover a entrada de glicose nas células. Ela também é essencial no metabolismo de carboidratos, na síntese de proteínas e no armazenamento de lipídios (gorduras).

Quando o pâncreas, órgão que produz a insulina, deixa de produzi-la em quantidades ideais, é necessária a introdução da insulina no tratamento do diabetes.

Existem vários tipos de insulina, com diferentes início de ação, período de concentração máxima (pico de ação) e duração do efeito. A seleção da insulina mais apropriada ou combinação de diversos tipos para certo paciente dependem da resposta individual ao tratamento, das condições do diabetes e dos hábitos deste paciente.

Abaixo, estão descritos os principais tipos de insulina e suas características:

Insulina Basal:

  • Insulina que cobre as necessidades do organismo entre as refeições e durante a noite, ou seja, ao longo do dia. É uma insulina de ação lenta ou intermediária.

insulinas lentas

 

Insulina para Bolus:

  • São insulinas que possuem ação mais rápida, por isso destinam-se a evitar hiperglicemia pós-prandial, relacionada à refeição. São aplicadas antes das refeições.

insulinas rápidas

 

 

Insulinas Bifásicas (insulina lenta + insulina rápida):

As insulinas bifásicas contêm dois tipos de insulina, de modo a proporcionar picos e tempos de duração diferentes.

Tipos de Insulinas em pré-mistura:

1. Humalog Mix ® 25: 25% de solução de insulina lispro (rápida) e 75% de suspensão de insulina lispro protamina (lenta);

2. Humalog Mix ® 50/50: 50% de solução de insulina lispro (rápida) e 50% de suspensão de insulina lispro protamina (lenta);

3. NovoMix ® 30: 30% de insulina asparte (rápida) e 70% de insulina asparte com protamina (lenta).

 

Por que usar 3 ou mais doses de insulina no tratamento do Diabetes Tipo 1?

 

O tratamento intensivo do diabetes tipo 1, que significa o uso de 3 ou mais doses de insulina ao dia, dividido em insulina basal e bolus nas refeições, é a forma de se alcançar o bom controle glicêmico (glicohemoglobina < 7%).

No diabetes tipo 1, como não há mais produção de insulina pelo pâncreas, o objetivo do tratamento é “imitar” o funcionamento do pâncreas de quem não tem diabetes, que funciona assim:

  • Produção de insulina durante todo o dia, independentemente das refeições: é a INSULINA BASAL (então “imitamos” com o uso de insulinas de ação lenta);
  • Liberação de insulina pelo pâncreas, de acordo com as refeições: são os BOLUS ALIMENTARES (repomos esta insulina com as insulinas rápidas, aplicadas antes das refeições).